O impacto de um jornal regional

Em 1999, fui a Cabo Verde e a Ilha do Maio foi uma das que visitei. Numa tarde, estava eu sentada no paredão quando sou abordada por residente que me pergunta de onde sou. "De Portugal, Leiria, uma cidade no centro do país". "Eu sei, o nosso padre é de lá". Ainda espantada com a coincidência, lá fui ter com José Carreira Júnior, natural da Caranguejeira. Conversámos muito. Admitiu que não era fácil viver numa terra onde as pessoas sofriam de “dupla insularidade, pela insuficiência de transportes e comunicações”. No seu caso, o isolamento quebrava-se através dos jornais, entre eles o Região de Leiria. O padre já não está entre nós, mas 20 anos volvidos ainda me vem à memória o que senti ao perceber o impacto que um jornal regional podia ter na vida de alguém.